Deus é tudo: o bate-papo que rendeu

Antonio Tamarri 

Entre todas as dificuldades que a pandemia nos criou, propiciou, todavia, uma vantagem naqueles que não dependem de sair de casa para se divertir. “Fica em casa”, “evita as aglomerações, usa a “masquerinha” continuam sendo as orientações, além da vacina. Tive diversas ocasiões de fazer conversas legais com vizinhos e amigos, quando, com um cafezinho quente na mesa, a gente não olhava o relógio e deixava o papo rolar.

_ Esta pandemia, que desgraça! Quando vai acabar?

_ Se é que acaba, pois parece que, mesmo com todo mundo vacinado, o vírus continua vivo, podendo ainda atacar. Deus não deixa.

_ Pára aí! Não bota culpa em Deus...

_ Deus é tudo, rapaz, pode tudo e, se a gente criar juízo...

_ Escuta. Se Deus é tudo, também tudo é Deus...

_ Não...Tudo é Deus...Com tantas misérias acontecendo!

_ Lembra? Nos primeiros anos da escola, quando os professores queriam nos ensinar a matemática e diziam que “dois mais três faziam cinco” e depois diziam que “três mais dois faziam cinco”? Se Deus é tudo, também tudo é Deus. Fica difícil acreditar porque o tudo, quer dizer o mundo, não é tratado como Deus. Pior. O mundo, quer dizer a Terra, o nosso planeta está se tornando o lixeiro dos homens e, veja, amigão: aqui  pode estar a origem dos vírus.    

_ Não confunda as coisas.

_ Não estou confundindo. Pandemia, significa epidemia generalizada. Veja aí: o ar está poluído, as águas dos rios e até dos oceanos cheias de plástico, a terra está sendo ou queimada ou explorada; a televisão faz propaganda das três safras que se consegue tirar da terra super molhada, a custo de adubos químicos e irrigação exagerada; a gente come produtos manipulados, corre feito doido para chegar no trabalho e voltar para casa...Tão pequena e apertada que dá vontade de sair logo...

- Chega, estou ficando nervoso!

_ Fica não amigo. Pensa que nos anos noventa, quando cheguei pela primeira vez em Porto Seguro, me chamou atenção esta propaganda, num pôster muito grande à beira da BR: "Virasol - Fazer nada e depois descansar"

_ Que é que isto tem a ver?

_ Tem a ver que esta cabana, na época, a mais badalada, o mar levou... Quando as demais cabanas, tipo Tôa Tôa, Axé Moi, construídas demais perto do mar, podem ter o mesmo fim. É um absurdo que Porto Seguro, com noventa quilômetros de praias maravilhosas tenha, ainda, construções irregulares, com aglomerações espantosas, anti-higiênicas, poluídas.

O mundo é Deus, o nosso Deus. Este foi criado para ser um jardim e não um lixão. Para ser uma harmonia, um canto de alegria; aonde não devem viver os chacais, que até na compra das vacinas querem ter lucros e propinas, que não respeitam nem a ciência, nem a política, nem as leis, nem as normas, nem as ordens e os conselhos... O pior vírus é a maldade!


Antônio Tamarri é professor de História e Teologia - Ilustração: GreenMe Brasil

Siga o Jornal do Sol no Instagram

LEIA TAMBÉM:

Tudo ou nada: prazer e culpa

Pandemia: tempo para desconstruir

Sinfonia do silêncio

Ir e vir, direito constitucional

Chegou a hora de transformar dificuldades em oportunidades

© 2021 Jornal do Sol - Informação com Credibilidade