Vereador propõe projetos inusitados

Dois projetos de lei de autoria do vereador Anderson Ricelli (PODE) chamam atenção por impactar diretamente na rotina de homens e mulheres, e da família de forma geral. Um dispõe sobre a autorização de fornecimento e distribuição de absorventes higiênicos para mulheres de baixa renda; e o outro trata do pré-natal masculino. Ambos passaram em primeira votação em abril.

De acordo com o vereador, dados oficiais da Secretaria de Assistência Social mostram que 18 mil pessoas vivem hoje em Porto Seguro com renda menor que R$ 100,00, o que torna difícil o acesso a itens de higiene, mesmo que sejam de primeira necessidade. Ele afirma que não há verba pública específica para esse tipo de atendimento, e que o projeto é autorizativo. “Eu sugiro que o Executivo, com recursos próprios da Saúde e da Assistência Social faça esta distribuição, visto que muitas mulheres sofrem no período menstrual e não têm dinheiro para comprar. É uma questão de saúde e também social!”, argumenta.

Pré-natal masculino

Um atendimento até pouco tempo direcionado especificamente para mulheres, e que passa a incluir o homem, o pré-natal - masculino - já é preconizado pelo SUS, mas ainda não existe, no município, na forma de projeto de lei, segundo Anderson Ricelli, que é médico e atende na rede pública de saúde. De acordo com o Guia do Pré-Natal do Parceiro para Profissionais de Saúde, “um movimento crescente observado no Brasil, e em vários outros países do mundo, tem defendido que os homens podem e devem ser envolvidos integralmente em tudo o que diz respeito à tomada de decisão reprodutiva, desde a escolha de ser pai à participação solidária na gestação, no parto, no cuidado e na educação das crianças”.

Desta forma, segundo Ricelli, a motivação para a proposta é “estimular o pai a participar mais da gestação além de aproveitar a circunstância para cuidar da saúde do homem”, afirma. Ele diz que é muito difícil fazer o homem jovem ir ao posto de saúde e que o pré-natal masculino é uma forma de levá-los a fazer exames de DST, Aids, hepatites e outros controles.

MATÉRIAS RELACIONADAS

Vereadores discordam sobre presidência do consórcio de saúde

Operação Fraternos: quem vai julgar os denunciados?

Leitos de UTI são alvo de questionamentos na Câmara

Falta de iluminação pública e salários atrasados são destaque na Câmara

Trabalhadores de hotéis e restaurantes têm reajuste de 4%

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar