Skate ainda é desvalorizado como esporte

As olimpíadas terminaram, mas o gostinho de esporte novo continua. Parece que o skate veio pra ficar e deixar lindas recordações com sua estreia com 3 medalhas de prata, de um esporte que, no Brasil, ainda é marginalizado. 

Para além disso, ainda o pouco incentivo ao skate como esporte, como diversas outras modalidades, diminuem as chances daqueles que veem nos shapes uma forma de mostrar seus valores e identidade.

O esporte, criado na década de 1960 na Califórnia tem grande apelo entre os jovens inclusive galgando tendências em moda, arte e cultura. Porém mesmo com toda esta força, o incentivo ao esporte ainda é pequeno. Pistas de skate, quando existem, são sucateadas, bem como outros aparelhos.

Sul da Bahia

Segundo o Presidente da Associação dos Skatista do Extremo Sul da Bahia (ASESB),  Breno Barbosa Negreiros, a modalidade despontou em Porto Seguro no ano 2000, quando os primeiros praticantes começaram a seu reunir no antigo Burako Loko, casa de show no Arraial d’Ajuda, que naquela época, construiu uma pista em sua sede. “Ali surgiram os primeiros skatistas e foi também nesta época que foi fundada a ASESB, que já tinha como função principal a implementação de uma pista de skate, seja para os treinos diários, como para a realização de eventos”, comenta.

Negreiros informa que em 21 anos, a entidade realizou diversos eventos e que início era tudo muito artesanal, com campeonatos nas escolas e dinheiro arrecadado com os patrocínios, era utilizado para a compra de rampas de madeira.

E os esforços dos skatistas e da Associação surtiram efeitos com a construção da pista de skate da praça Antonio Tito, do bairro Campinho, mas que ainda está longe de ser um espaço adequado para a prática da modalidade. “Ao longo do tempo, sem apoio do poder público, fomos percebendo que teríamos que colocar a mão na massa e fazer as reformas necessárias. O mesmo acontece com a mini rampa do Arraial d’Ajuda, que existe desde 2008”, completa Negreiros, que informa que além dessas ainda há a pista da praça do Trabalhador, no Bahianão.

 

Incentivo

O presidente da ASESB revela que o incentivo do Poder Público ao esporte, principalmente no interior da Bahia é mínimo. “Uma cidade como Porto Seguro, que é a 4ª maior economia da Bahia ainda não dispõe de um ginásio de esportes, ciclovia na Orla ou equipamentos para treino de calistenia, que são itens básicos que qualquer cidade litorânea. Na gestão anterior do prefeito Jânio Natal foi feito um projeto para construção de uma pista em frente ao Estádio Municipal. O projeto era excelente, mas acabou não sendo executado”, lamenta.

E mesmo com as pistas em péssimo condições de uso, o número de skatistas vem crescendo e criando várias iniciativas interessantes. “Há escolinhas na praça Antonio Tito, no Arraial d’Ajuda e no Bahianão, inclusive com campeonatos. Em Trancoso, a galera local se reúne na quadra coberta, onde montaram seus obstáculos de madeira para treino”, finaliza.


Siga o Jornal do Sol no Instagram

LEIA TAMBÉM:

Festival de Curtas chega a sua 32ª edição com premiados em Cannes

Marinha tem seleção para vagas de nível médio técnico

Edital Bolsa Esporte tem investimento de R$ 1,2 milhão na Bahia

Super Treino é realizado em Caraíva

Kitesurf deixa as águas e o céu de Caraíva mais coloridos

 

Comentários   

# Apoio ao esporteHabita PS 12-08-2021 18:04
"A Habita Participações vem se colocar à disposição para fazer parte dessa iniciativa de reforma e construção de uma pista de skate em Arraial d’Ajuda e uma em Porto Seguro.
Estamos juntos na causa do esporte como social e tudo que estiver ao nosso alcance será realizado para o bem do esporte de nossa cidade."
Responder | Responder com citação | Citar
© 2021 Jornal do Sol - Informação com Credibilidade