Minas atinge 1 gigawatt de geração própria de energia solar

O estado de Minas Gerais acaba de superar a marca de 1 gigawatt (GW) em geração própria de energia a partir da fonte solar fotovoltaica, com sistemas em telhados e pequenos terrenos, segundo mapeamento da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR).

O território mineiro é o estado líder em potência instalada de geração própria de energia solar no Brasil, com 17,8% do total. São 88.133 sistemas operacionais em residências, comércios, indústrias, propriedades rurais e prédios públicos, espalhados por 844 municípios, o que equivale a 98,9% dos 853 municípios da região. Atualmente, 120.392 consumidores de energia elétrica já fazem uso da tecnologia, com redução na conta de luz, mais liberdade de escolha e mais sustentabilidade.

 Desde 2012, a geração própria de energia solar já proporcionou às Minas Gerais a atração de mais de R$ 5 bilhões em investimentos, geração de mais de 30 mil empregos, a arrecadação de mais de R$ 955,4 milhões aos cofres públicos e redução de emissão de 767,0 mil toneladas de CO2.

Para Bruno Catta Preta, coordenador estadual da ABSOLAR em Minas Gerais, o estado é referência nacional no uso da energia solar. “A tecnologia fotovoltaica representa um enorme potencial de desenvolvimento sustentável, econômico e social para os mineiros, com geração de emprego e renda, atração de novos investimentos e ajudando no combate às mudanças climáticas e na proteção do meio ambiente”.

Marco Legal

De acordo com a entidade, a aprovação do marco legal da geração própria de energia renovável será o melhor caminho para evitar retrocessos e democratizar a modalidade no País. O marco legal está pronto para votação na Câmara dos Deputados, por meio do Projeto de Lei (PL) nº 5.829/2019, de autoria do deputado federal Silas Câmara e relatoria do deputado federal Lafayette de Andrada.

No total, 38 instituições representativas do País apoiam o PL nº 5.829/2019, que garantirá em lei o direito do consumidor gerar e consumir sua própria eletricidade por meio de fontes limpas e renováveis, incluindo de produtores rurais, de comércio de bens, serviços e turismo, de pequenos negócios e de defesa do consumidor, dentre elas a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o Sebrae, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) e a Proteste, maior entidade de defesa do consumidor da América Latina e do Brasil.

“Por isso, é fundamental o apoio da sociedade organizada e das empresas locais no sentido de estabelecer um arcabouço legal transparente, justo e que reconheça os benefícios da energia solar na geração distribuída no País”, acrescenta Catta Preta.

Para o presidente executivo da ABSOLAR, Rodrigo Sauaia, a energia solar fotovoltaica terá função cada vez mais estratégica para o atingimento das metas de desenvolvimento socioeconômico e sustentável em todos estados brasileiros. “A tecnologia fotovoltaica é essencial para a recuperação da economia após a pandemia, sendo a fonte renovável que mais gera empregos no planeta. Ela também ajuda a baratear a conta de luz dos brasileiros, reduzindo o uso de termelétricas fósseis, caras, poluentes, principais responsáveis pela bandeira vermelha que encarece a conta dos consumidores”.


Texto: Thiago Nassa - Assessoria de Imprensa Absolar - Foto: Absolar

Siga também o Jornal do Sol no Instagram

MATÉRIAS RELACIONADAS

Naturalle inaugura centro de tratamento de resíduos em Cabrália

Abertas inscrições para a 1ª Olimpíada Nacional de Eficiência Energética

Veracel divulga Relatório de Sustentabilidade 2020

Cartório eleitoral em Eunápolis vai ter energia solar

Quer criar abelha sem ferrão em casa? Embrapa lança curso online gratuito