NotíciasTromboneClassificadosTurismoLeitor RepórterContato

O que está procurando?   

Família de Porto vive drama com a Inglaterra


Alexandre de Souza Silva, 44, há mais de 20 anos mora e trabalha em Londrtes, de onde ajuda sua mãe e sua irmã, que residem em Porto Seguro. Lá ele foi faxineiro, garçom, vendedor com credencial para atendimento à princesa Daiaia e à família dela, chegando a comissário aéreo da British Airways, uma das empresas aéreas do mundo.
O poliglota Alexandre poderia ser considerado um exemplo de latino-americano bem sucedido na Europa, tendo obtido cidadania inglesa e adquirido uma casa em Londres, paga em suaves prestações, com seus salários merecidamente recebidos em troca de trabalho digno.
Com a mesma dedicação da mãe, de quem recebeu vários exemplos de trabalho social voluntário, mesmo doente, junto a adultos e crianças carentes no Brasil, Alexandre chegou a salvar vidas em tragédias inglesas como a tempestade de neve que ocorreu no metrô londrino em 30 de janeiro de 2003, carregando nos braços diversas pessoas que não conseguiam andar.
Com aumento de suas despesas devido ao agravamento da saúde de sua mãe, Alexandre alugou sua casa em Londres e passou a morar com um amigo paranaense, Júlio, que sem conhecimento de Alexandre, vinha sendo observado pela policia britânica. Uma batida policial na casa dos amigos brasileiros encontrou 20 gramas de drogas e prendeu os dois moradores da casa. Alexandre, que acabara de chegar de viagem a serviço da Airways, seguiu com certa tranquilidade para a repartição policial, confiante de que sua inocência seria facilmente comprovada.
Como era de se esperar, Júlio assumiu que a droga era sua, mas surpreendentemente, não informou que Alexandre nada tinha a ver com o assunto. Submetendo Alexandre a diversos vexames, exames laboratoriais, quebra de sigilo bancário e buscas em sua residência, a polícia nada encontrou no sentido de incriminar o brasileiro, mas apesar disto e de depoimentos de importantes testemunhas a favor de Alexandre, a polícia manteve o brasileiro preso sob acusação de tráfico de drogas de 6 de julho a 20 de novembro de 2009, quando determinou que ele aguardasse o julgamento em liberdade.
Em completa ausência de provas, no dia 24 de fevereiro desse ano, a justiça britânica retirou de Alexandre a acusação de tráfico de drogas e o acusou de conspiração contra os ingleses, condenando-o a 15 anos por decisão do juiz Peter Clarke.
Esta sequência de notícias caiu como bombas na digna família portossegurense, que tem Alexandre como cidadão e filho exemplar, injustamente preso em um país tão distante, onde mora com dupla cidadania.
Depois do julgamento, em carta manuscrita, Júlio assumiu toda culpa sobre o flagrante, deixando clara a inocência do baiano, cabendo agora, segundo a professora Sonali Silva, irmã da suposta vítima, a revisão do julgamento do caso e uma ação de indenização contra o Estado britânico, por calúnia, difamação e danos morais.
Segundo informações da professora, o que está dentro dos limites da Justiça brasileira está sendo feito. “Peço que se faça o que for necessário para que seja revisto o caso, urgentemente, junto a Embaixada do Brasil, em Londres”, suplica Sonali, agradecendo a todos que estão colaborando e torcendo pela liberdade de Alexandre, inclusive por meio de um “abaixo assinado” requerendo a revisão do julgamento, já com mais de 3 mil assinaturas.
O caso de Alexandre é mais um na lista de equívocos de autoridades londrinas contra brasileiros que trabalham na Inglaterra. Em 2005, confundido o eletricista Jean Charles com o etíope Hussain Osman, Jean Charles foi assassinado sem nenhum direito de defesa. O crime ocorreu duas semanas depois dos atentados de 7 de julho daquele ano, em Londres.
Apesar de reconhecer a “fatalidade”, a polícia britânica defendeu seus subordinados e atribuiu os erros da operação a “equívocos” cometidos pelo brasileiro, como ter fugido ao ver os oficiais e ter seu visto vencido. “Com Alexandre, nem isto”, garante Sonali, que completa “com Alexandre está tudo certíssimo. O erro está com a Justiça britânica”.
Por fim, a professora avisa que o assunto já está na mesa do presidente Lula e ela tem certeza de sua ajuda.


Comentários:

demostenescordeiro@uol.com.br   21/01/2011
"Olá pessoal, quero saber notícias do recurso julgado em 20 de janeiro 2011 do brasileiro Alexandre de Souza Silva que está preso em Londres. A irmã dele é Sonali de Souza Silva professora. Qual o telefone da Sonali?"

NOTA DA REDAÇÃO:
Alexandre de Souza Silva, de 44 anos, que está preso desde março de 2010 em Londres, acusado de conspiração, teve a pena reduzida de 15 para 11 anos. A decisão foi tomada em audiência para revisão de pena ocorrida no dia 20 de janeiro, na Corte inglesa. De acordo com a família de Alexandre, é possível que seja marcada para abril uma nova audiência, desta vez com o objetivo de rever a condenação do brasileiro.
Janete monteiro   12/06/2011
Infelizmente Lula não está no poder e a presidente está sofrendo muitas pressões, não acredito que possa fazer algo por meu primo Alexandre, que é possuidor de bom caráter como toda família. Atenciosamente Janete monteiro
Ângela Maria de Souza Almeida   04/08/2011
Sou prima de Alexandre e não posso compreender que tipo de justiça é essa que condena uma pessoa por conspiração sem provas. Acredito que eles não querem admitir o erro para não possibilitar uma indenização.
Angela   27/12/2011
"Para entender."
Adenise Ribeiro de Bim   09/06/2012
"Boa noite. Somente agora, soube do Alexandre. Espero que esteja tudo bem com ele; por favor mande-me noticias dele da Sonali e da Ivone vou orar para que ele esteja livre de culpas, que DEUS o abençoe. Abraços"
Daniela   01/11/2012
"Boa tarde. Queria dar força para toda a familia Souza y espero que todo esteja bem. Quero mandar un beijo grande a Sonali (eu a coneci en marco de 2011 em carnaval ela foi muito gentil conmigo y meu marido). Un beijo grande y abracos."

Nome:
Cidade:
E-mail:






















Copyright (C) 2005-2010 - Jornal do Sol - Todos os direitos reservados.



Desenvolvido por AMPLA